De acordo com a empresa EDM a energia consumida pelos semáforos instalados em diferentes pontos do pais e faturado e em alguns locais os sistemas instalados são pré-pagos, sendo os pré-pagos a funcionarem através dos contadores do tipo CREDELEC, mas existem outros que ainda usam o sistema de pôs pagamento.

Os municípios tem feito uma grande contra força devido a ameaça de cobrança de taxas supostamente pelo uso de espaço público onde tem sido implantados os postes e cabos, a mesma contra forca e feita por causa da circulação, carregamento e descarregamento feitos pelos camiões pertencentes a empresa EDM na urbe, e muita das vezes sem existência de uma licença.

A EDM diz que intende e tem dito sempre que há uma guerra politica na governação e que a mesma guerra já e conhecida o seu ponto de partida.

Reagiu desta forma o chefe do gabinete do presidente do município da cidade de Nampula Ossufo Ulane, depois de duas semanas e meia que a cidade de Nampula ficou sem semáforos operacionais devido a instalação por parte da Eletricidade de Moçambique de contadores CREDELEC nos semáforos da urbe para os efeitos de faturação da energia consumida pelos mesmos.

Dos munícipes contactados pela imprensa para falarem sobre a gestão dos semáforos nas cidades somente dois aceitaram falar

Em Nacala, estivemos em conversa com o próprio presidente da urbe, Raul Novinte, que nos esclareceu que em Nacala existe uma politica onde os sinais luminosos estão totalmente sobre a gestão coa edilidade e Anualmente anualmente, a vereação dos Transportes, Comunicações e Vias Públicas tem feito uma alocação  monetária de um pouco mais de 600 mil maticais para o pagamento de algumas contas dos semáforos.